Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inês Mocho

Makeup & Beauty.

10
Ago18

AMAMENTAÇÃO EM PÚBLICO E TODO O SEU TABU

IMG_2945.jpeg

 

Quando se é mãe pela primeira vez, há uma série de dicas e conselhos que nos são passados pelas mulheres sábias da nossa vida! Mães, avós, irmãs, amigas, todas elas têm conselhos para partilhar connosco.

 

Todos esses conselhos foram e são preciosos e desde já agradeço a todas as mulheres da minha vida, no entanto, foi o dia-a-dia com a minha bebé, que foi determinante na minha aprendizagem de mãe. 

 

É a sós com o nosso bebé, que começamos a entender as diferenças entre choros. Quando é que está com fome, com calor ou cólicas, quando está com sono, ou apenas quando quer mimo e atenção.

 

Por outro lado, entre conselhos e o nosso próprio instinto maternal, há também uma série de decisões conscientes que temos de tomar enquanto mães, decisões essas que irão definir a nossa posição em temas um pouco mais sensiveis e/ou até polémicos.

 

Amamentar ou dar fórmula, prolongar a licença de maternidade ou voltar logo ao trabalho, deixar chorar até adormecer ou pegar a bebé ao colo...

 

Se há decisões que vou tomando ao longo do tempo, há outras que mal soube que ia ser mãe, ficaram logo tomadas. Uma dessas decisões foi o caso da amamentação.

 

Só se tivesse algum impedimento do meu corpo é que teria de optar pelas soluções alternativas à amamentação. A decisão estava tomada, no entanto tinha algumas preocupações. Sempre tive os mamilos pouco proeminentes e tinha receio de o bebé não conseguir fazer uma boa pega na mama.

 

O processo de amamentação não foi fácil (e mesmo agora passados 4 meses ainda não o é). Na subida do leite tive mastites, por causa dos mamilos tive de recorrer a bicos de silicone e por ter não ter parado profissionalmente tive de usar bombas de extracção. Todos estes processos são diferentes, mas super desafiantes.

 

Amamentar não é um mar de rosas como sempre vi e ouvi dizerem, é algo duro e até mesmo sangrento (no meu caso foi, no verdadeiro sentido da palavra) apesar disso, também é uma união única, que não dá para explicar. É um elo que se cria entre mim e a minha filha.

 

Devido à minha vida agitada, rapidamente fui posta em contacto com a realidade da amamentação em público.

 

Sempre achei que amamentar é algo que não é para fazer com vergonha e muito menos em casas de banho públicas (penso que ninguém gostaria de tomar uma refeição lá, por isso porque poria lá a minha bebé?). Para mim, amamentação é um processo natural e deve ser encarado como tal.

 

No entanto devo admitir que nos primeiros meses, e mesmo pensando desta forma, foi desafiante lidar com os olhares e com o pouco à vontade típico de uma mãe de primeira viagem. Mas bastaram poucos meses para todo este cenário mudar. Amamentar em público tornou-se algo natural e sinto-me mais à vontade. 

 

Os desafios mudam nestes meses, já não preciso de bicos de silicone, no entanto agora tenho de sabe contornar os arranhões e beliscadas que vou levando (que por vezes até me fazem saltar). Mas amamentar é isso mesmo, é alimentar, é amor e é aprendizagem.

 

Compreendo perfeitamente que nem todas as mães partilhem da mesma opinião. Acredito que na maternidade o mais importante é nos sentirmos confortáveis (com as decisões que tomamos) e o nosso bebé estar bem. Feliz e saudável. O resto, na verdade torna-se irrelevante.

 

Não há mães perfeitas, há apenas mães reais.

 

Beijos beijos

*post em parceria com a Baby Dove

 

11 comentários

Comentar post